img height="1" width="1" src="https://www.facebook.com/tr?id=1389618454405482&ev=PageView&noscript=1"/

HOMOSSEXUALIDADE E HIPNOTERAPIA

Olá, vamos falar um pouco sobre situações que desafiam nossas crenças e preconceitos?

A Hipnoterapia e a Terapia Regressiva sozinhas já dariam um tema fantástico para falarmos sobre isso, imagine se juntarmos a isso a Homossexualidade.

Atualmente temos a sensação de que somos mais livres, e isto é verdade em certos assuntos. Quando se fala de homossexualidade tivemos uma evolução, porém isso não significa que estamos perto do que deveríamos chamar de ser livre para assumir sua orientação sexual.

Para deixar mais simples, falaremos de homossexualidade, que é quando uma pessoa se sente atraída por outra do mesmo gênero, sem entrar nas classificações de gênero, que tornaria ainda mais complexo. Uma mulher se sente atraída por outra, um homem se sente atraído por outro, sabemos que é mais complexo que isto, mas para simplificar usaremos estes exemplos e com certeza se extrapola para os demais e até com mais intensidade.

A discriminação, a não aceitação e a intolerância, faz com que a violência, não só física, mas principalmente a emocional reine e isso causa ainda mais problemas às pessoas que sofrem com esta situação. Muitas vezes, desde a infância já inicia um processo de não autoaceitação, de se sentir diferente, de se sentir excluída(o).

Os pais insistindo em dar brinquedos que não correspondem com a vontade da criança, querendo forçar uma situação natural, da própria criança, que ainda não frequentou escolas, que não teve contato com alguém que pudesse a influenciar, muitas vezes desde o momento que começa a andar e a se expressar.

Não podemos deixar de citar que existem situações onde abusos, ambiente familiar e outros, chamemos assim, de “traumas”, afetaram o desenvolvimento da sexualidade deste individuo, mas que independente da provável causa, somos todos seres humanos e devemos nos dar o mesmo respeito e direito.

Quando falamos de Hipnoterapia e Terapia Regressiva para auxilio nestes casos, não estamos falando de “cura gay”, assim como o que ditam as áreas de saúde, estes casos não são considerados como doenças. Nossos objetivos com os processos que utilizamos é de ajudar às pessoas a encontrarem sua alma, deixarem de sofrer pelo que vem de fora delas, como o preconceito, o julgamento e qualquer coisa que as levem para pensamentos que as façam se sentir menores.

Falamos de ajudá-las a encontrar a felicidade às suas vidas e isto ocorre na maioria das vezes pela autoaceitação, pelo autoperdão.

Cabe a todos nós trabalharmos nosso ser para que possamos aceitar e tolerar mais as diferenças e conviver a cada dia em um ambiente mais pacífico e acolhedor.

Para nós terapeutas, de qualquer técnica, de qualquer área, praticarmos o mandamento mais importante e quem sabe o mais difícil: O Não Julgamento.

Qualquer pessoa que nos procure, independente de sua queixa, a única coisa que tenho a certeza de que ela não precisa é de um juiz, que a condene por seus atos. Estamos nesta missão para ajuda-las a se encontrar, a integrar a sua essência e ser uma, corpo, mente e espírito.

Fique bem.

Murillo Cucatto